Início / Posts / Biomedicina / Diagnóstico / Criatividade: Plástico bolha pode ser usado como tubo de ensaio

22 de julho de 2014

Criatividade: Plástico bolha pode ser usado como tubo de ensaio

Nem pense em estourar o plástico bolha da encomenda que acabou de chegar. As bolhas de ar podem se tornar tubos de ensaio.

Basta injetar líquido nas bolhas utilizando uma seringa e então e selar os furos com esmalte de unha. Pesquisadores usaram as pequenas bolhas de ar para vários experimentos, entre eles o crescimento Escherichia coli e a detecção de anemia e diabetes.

O trabalho, descrito neste mês em Analytical Chemistry, sugere que o plástico bolha, material estéril e barato, poderia ser utilizado em áreas com recursos limitados na realização de exames médicos e testes ambientais.

Experimentos com plástico bolha. Descrição das imagens no texto.
Bolhas de vários tamanho sendo preenchidas com corante.

Recipientes esterilizados para armazenamento de reagentes e amostras biológicas para análises geralmente não estão prontamente disponíveis em locais onde os recursos são limitados, e equipamentos de esterilização (por exemplo, autoclaves) são caros.

O plástico bolha pode ser reaproveitado e reutilizado como um recipiente estéril para armazenar amostras de líquidos sem a necessidade de esterilização. Esta propriedade pode ser útil para bioanálises simples em regiões de recursos limitados. Por exemplo, as bolhas estéreis podem ser utilizadas para realizar testes de cultura microbiana.

As bolhas do plástico bolha são transparentes e podem ser usadas como recipientes para medições de absorvância e fluorescência. Um outro exemplo são os reagentes para medição espectrofotométrica da hemoglobina no sangue ou de glicose na urina, que podem ser armazenados dentro das bolhas e transportados no interior de bolhas seladas.

As bolhas na coluna 1 contém 1 ul de E. coli (em um meio de cultura). Elas foram incubadas a 37 ° C durante 4 dias. Após o processo as bolhas tornaram-se mais turvas por causa do crescimento de E. coli.
As bolhas da coluna 1 contém 1 ul de E. coli (em um meio de cultura). Elas foram incubadas a 37 ° C durante 4 dias. Após o processo as bolhas tornaram-se mais turvas por causa do crescimento de E. coli.

As bolhas seladas evitam o contato com os reagentes e eliminam a contaminação dos reagentes ou a exposição dos utilizadores finais à compostos tóxicos, tais como os utilizados para o método de cianometahemoglobina. A possibilidade de usar as bolhas como células eletroquímicas alarga o âmbito de ensaios analíticos que podem ser executadas dentro do plástico bolha.

O plástico bolha é encontrado em quase todas as regiões do globo. O uso desse material para armazenar amostras de líquidos e para realizar ensaios analíticos pode reduzir o custo de análise. Em contextos onde os recursos são excassos, qualquer redução do custo na análise é importante para tornar os procedimentos de teste acessíveis para mais pessoas.

Fonte: Analytical Chemistry
I
magem: American Chemical Society

Veja Também

Edição nº 16 – Ciência Forense

Ciência Forense – a ciência a serviço da justiça Nesta edição da Revista Polyteck você …