Nossa Missão

A nossa missão é ser reconhecidos nacionalmente como a revista que dissemina o conhecimento de ponta e que transforma a educação no Brasil, tornando os estudantes mais produtivos e interessados em tecnologia e ciência.

A divulgação de ciência e tecnologia é uma ferramenta de leitura do mundo, principalmente para que os mais jovens tenham consciência de que vivemos em uma sociedade marcada pela intervenção humana. A divulgação promove o empoderamento da ciência por toda a sociedade. Ela propicia o compartilhamento das certezas e incertezas decorrentes do desenvolvimento tecnológico (como os impactos ambientais de longo prazo, as questões éticas e sociais, as regulamentações e legislações, assim como os desafios técnicos e científicos). A popularização da ciência contribui para a melhoria da qualidade da formação educacional e também faz com que cada cidadão tenha a oportunidade de adquirir informações sobre a ciência e seu funcionamento, dando-lhes condições de entender o seu entorno e de se situar politicamente. A difusão da ciência proporciona aos próprios cientistas um ambiente multidisciplinar, com novas possibilidades de enfoques, diálogos e trocas. Por isso ela tem um importante papel na formação de cada indivíduo e no aumento da qualificação da sociedade como um todo.

As ações para promover a divulgação de ciência e tecnologia também podem ser entendidas como uma ferramenta estratégica para impulsionar processos de inclusão social, pois elas ampliam o conhecimento do cidadão e contribuem para a inclusão de grupos sociais tradicionalmente deixados à margem dos benefícios do desenvolvimento científico e tecnológico.

Nas últimas duas décadas foi observada uma expansão significativa nas ações relacionadas a divulgação da ciência e tecnologia no Brasil. Foram criados diversos museus de ciência, congressos nacionais e internacionais, periódicos acadêmicos, revistas de fundações de amparo à pesquisa, websites e blogs independentes, além de uma maior cobertura da mídia tradicional em assuntos relacionados a tecnologia e ciência. Embora hoje existam mais facilidades na busca por informações relacionadas à tecnologia e ciência, a divulgação cientifica brasileira ainda é considerada pequena e temos poucos pesquisadores e professores que são efetivamente divulgadores de ciência.

Dentro deste cenário nós identificamos uma lacuna na divulgação de ciência e tecnologia para o público jovem, principalmente universitários. Tradicionalmente as ações de divulgação científica podem ser segmentadas entre divulgação para leigos e divulgação acadêmica. No primeiro grupo enquadram-se os museus e feiras de ciências, assim como as notícias publicadas em websites, jornais e revistas de grande audiência (que usualmente são superficiais e pouco técnicas). Já na divulgação acadêmica encontramos os congressos e conferências, assim como os artigos científicos publicados em periódicos específicos. O que percebemos é que o universitário não se enquadra em nenhum desses dois grupos e por isso não dispõe de meios para se informar com maior profundidade sobre tecnologia e ciência. Para um estudante universitário uma notícia em jornal ou uma visita a um museu é muito superficial, pois ele já possui conhecimentos mais aprofundados em decorrência dos seus estudos. Porém um artigo científico ou a participação em um congresso são muito avançados para os seus conhecimentos atuais.

Acreditamos que a troca de informações entre diferentes disciplinas é o que possibilita a construção do conhecimento. Joichi Ito, diretor do MIT Media Lab, nos EUA, afirma que “A maior parte dos acadêmicos é avaliada por quantas vezes publicaram em prestigiados periódicos com revisão por pares. Revisão por pares usualmente consiste em membros influentes de sua área revisando o seu trabalho e decidindo se ele é importante e único. Esta arquitetura geralmente leva a uma dinâmica onde pesquisadores focam mais em impressionar um pequeno número de especialistas no seu próprio campo de estudo do que em assumir riscos de tentar soluções não convencionais. Essa dinâmica reforça o cliché da academia – aprender mais e mais sobre menos e menos. Ela causa uma hiperespecilização, onde pessoas têm muita dificuldade em colaborar – ou até mesmo se comunicar – com pessoas de diferentes áreas.” [Leia o texto completo em português] Infelizmente esta dinâmica se arrasta para dentro das salas de aula onde é prática comum não misturar estudantes de diferentes cursos em uma mesma turma, criando uma barreira que impede a troca de pontos de vista e discussões entre alunos que possuem diferentes backgrounds. Já os professores acabam fechando-se dentro dos seus próprios departamentos e levam pouquíssimas interações com outras disciplinas para dentro das salas de aula.

Pelos motivos acima citados criamos uma plataforma de educação e divulgação científica direcionada ao universitário que tem como missão popularizar a ciência e tecnologia e aproximar diferentes disciplinas dentro das universidades. A Polyteck incentiva a interdisciplinaridade ao levar conteúdos sobre ciência e tecnologia de ponta para as salas de aula. Buscamos ser reconhecidos nacionalmente como a revista que dissemina o conhecimento de ponta e que transforma a educação no Brasil, tornando os estudantes mais produtivos e interessados em tecnologia e ciência.

Iniciamos as nossas ações em setembro de 2013 com uma revista impressa que é distribuída gratuitamente em universidades. Em pouco mais de dois anos de atuação publicamos 14 edições da Revista Polyteck e distribuímos 140 mil exemplares em mais de 80 universidades em todo o Brasil. Além da versão impressa, possuímos uma versão online , um site de notícias sobre tecnologia e ciência e um canal de divulgação científica no YouTube. Além disso também temos ministrado palestras em várias universidades pelo Brasil.

Publicamos artigos que possuem relevância, aplicabilidade e abrangência interdisciplinar. Nossas referências são os melhores periódicos nacionais e internacionais. Todos os artigos da Polyteck têm referências para os trabalhos originais, para que o leitor possa conferir os dados e aprofundar seus conhecimentos. Acreditamos que o universitário possui capacidade para assimilar termos técnicos e conceitos abstratos, por isso a linguagem utilizada nos nossos textos está entre a tecnicidade de um artigo científico e a simplicidade de uma notícia em jornal. Isto torna a leitura agradável e com um grau de desafio adequado para um estudante universitário.

Acreditamos que essa iniciativa de trazer conteúdo avançado e interdisciplinar para perto do público universitário vai ajudar a unir estudantes, professores e pesquisadores de diversas áreas do conhecimento – criando uma ciência única ao invés de disciplinas fragmentadas. Dentro deste projeto também buscamos aproximar a academia e a indústria, pois o foco na popularização, interação e colaboração na ciência pode influenciar o futuro profissional dos estudantes, ultimamente levando ao desenvolvimento de mais inovação e tecnologia de ponta no Brasil.